Como fazemos escolhas? Um pouco sobre o Guia de Economia Comportamental e Experimental.


Como fazemos escolhas? Um pouco sobre o Guia de Economia Comportamental e Experimental.

O ser humano toma decisões todo momento: das mais simples, como que caminho tomar para ir para casa, até as mais complexas, como decidir fazer uma viagem internacional, poupar para aposentadoria ou economizar energia. O que muitos desconhecem é que existe um campo de estudo relativamente novo - a Economia Comportamental - que analisa essas tomadas de decisão e as influências cognitivas, sociais e emocionais que afetam a maneira que as pessoas fazem escolhas no seu dia a dia.

O Guia de Economia Comportamental e Experimental traz capítulos, textos e entrevistas com as grandes referências mundiais no tema que abordam seus principais fundamentos (conceitos básicos, escolha individual e risco, finanças, preferências sociais, metodologia experimental, entre outros) e aplicações para a área de finanças, negócios, marketing, políticas públicas, desenvolvimento e pobreza. O Guia conta também com capítulos de pesquisadores e professores brasileiros das principais universidades do país e especialistas nos setores público/privado.

O lançamento aconteceu no dia 23 de novembro, na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP.

A motivação para criação do Guia é difundir a área e suas metodologias no país, pois acreditamos que o Brasil ainda tem muito a se beneficiar com seus estudos e aplicações, em todas as esferas. Assim, ele fornece um vasto panorama da pesquisa que veem sendo produzida nesse campo em todo mundo levando em conta a pluralidade de pontos de vista que é característica fundamental da área.

O que a área traz de novo? Um dos pontos fundamentais da Economia Comportamental é o uso de experimentos de laboratório, experimentos de campo, a neurociência e outros métodos empíricos para testar e medir quais, como e quanto fatores psicológicos, sociais, contextuais e pequenas nuances na forma de apresentar escolhas afetam uma tomada de decisão.

Seu impacto tem sido tão significativo que em 2010 o governo do Reino Unido montou o Behavioural Insights Team, uma unidade especial dedicada a aplicar a ciência comportamental a serviços públicos. Em 2013, os EUA montaram o Social and Behavioral Sciences Team uma unidade similar vinculada ao governo americano. Neste ano, o Banco Mundial lançou o seu relatório anual exclusivamente sobre o tema e, recentemente, criou o Global Insights Team, unidade especializada para esse fim. Em 15 de setembro foi a vez de Barack Obama assinar um decreto direto da Casa Branca instituindo a ciência comportamental como diretriz para políticas públicas e gestão governamental.

Nos EUA e Europa as principais universidades já tem grupos de pesquisa e laboratórios específicos para esse fim e recebem um volume alto de investimento para aprofundar suas pesquisas. Já na área de negócios, grandes empresas e instituições financeiras no mundo todo têm adotado seus avanços e criado setores específicos para sua aplicação, fato que é amplamente discutido no Guia em entrevistas inéditas com grandes nomes na área.

O Guia é o primeiro material sobre o tema editado no Brasil. Sendo um projeto sem fins lucrativos, o Guia foi viabilizado com a ajuda de patrocinadores e apoiadores como: FEA-USP, Coppead/UFRJ, Itaú, Conselho Federal de Economia, Ponto Futuro Consultoria Estratégica, Jussi, entre outros. Já os internacionais incluem a London School of Economics, Yale School of Management, University of Warwick, entre outros. Os colaboradores que contribuiram na campanha de financiamento coletivo (crowdfunding) criada no site Benfeitoria também foram fundamentais para o sucesso do projeto. A campanha alcançou 142% da meta original, totalizando R$ 19 mil.

Aproveitamos mais uma vez para agradecer a todos que fizeram esse sonho possível!




Categorias