Raí Souza Vieira de Oliveira (Raí)

São Paulo/SP


Raí Souza Vieira de Oliveira (Raí)

Raí conquistou dentro dos campos praticamente todos os títulos com que um jogador de futebol pode sonhar, como o Mundial de Interclubes com o São Paulo FC e a Copa do Mundo com a seleção brasileira.




Vídeos



 

 

 

 

 

Raí, o "Terror do Morumbi" é um ex-jogador de futebol, atuou no Botafogo de Ribeirão Preto, time de sua cidade natal, na Ponte Preta, São Paulo Futebol Clube, Paris Saint-Germain e fez parte da seleção brasileira tetracampeã em 1994. Coleciona inúmeros títulos em sua carreira, sendo campeão paulista, brasileiro, francês, sulamericano e mundial.

O futebol entrou em cena em 1980, quando Raí tinha 15 anos. Um amigo o levou para fazer um teste no Botafogo de Ribeirão Preto, mas Raí não almejava profissionalizar-se, já que a família já tinha um craque: Sócrates. Entretanto, ele passou na peneira e defendeu o time por 6 anos.

Raí foi um dos primeiros jogadores de futebol do interior paulista a ser convocado para a Seleção Brasileira de Futebol. Ele estreou com a cobiçada camisa amarela no dia 19 de maio de 1987 no empate de 1 a 1 contra a Inglaterra. 4 meses após a convocação para a Seleção, Raí foi centro da maior transação entre times brasileiros da época: foi comprado pelo São Paulo futebol Clube por 24 milhões de cruzados.

Em 1991, Raí também conquistou com o tricolor o título brasileiro, no time de craques como Zetti, Cafú, Antônico Carlos, Muller, Toninho Cerezo entre outros. No ano seguinte, o SPFC iniciou uma sequência de vitórias inéditas ao clube. A primeira delas foi a Taça Libertadores da América. Em seguida, o time de Telê conquistou o Mundial de Interclubes. Este título foi consagrado na final contra o Barcelona com uma cobrança de falta ensaiada milhares de vezes. Muitos dizem 1992 foi a consagração de Raí.

Na metade de 1993, Raí seguiu o caminho natural de muitos craques: a carreira internacional. Ele preferiu, dentre as várias propostas recebidas, o Paris Saint Germain. Sua adaptação não foi apenas ao esquema de jogo do novo time, mas também ao idioma, ao clima, ao novos costumes.

Raí defendeu o Paris Saint Germain entre 1993 e 1998. Ele ajudou na conquista da Copa Liga da França (1995 e 1998), Copa da França (1993, 1995 e 1998), Campeonato Francês (1994) e a Recopa Europeia (1996). A torcida o reconhece como um dos maiores jogadores que já passou pelo clube.

Raí criou a Fundação Gol de Letra ao lado de seu amigo ex-jogador Leonardo, tinham o sonho de oferecer acesso à educação e à cultura para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. Eles conheceram de perto trabalhos de organizações reconhecidas, como Instituto Ayrton Senna e a Fundação Abrinq. Em 1998, nasceu a Fundação Gol de Letra, hoje reconhecida pela UNESCO como instituição modelo. Hoje, a Fundação já transformou a vida de milhares de jovens e suas famílias, através do esporte e da educação, sendo um exemplo de sucesso do terceiro setor, atuando não só com suas unidades em São Paulo e Rio de Janeiro, mas também disseminando a sua tecnologia social para outros profissionais e organizações do Brasil e do mundo. No ano de 2013, Raí foi condecorado como Chevalier de l’Ordre de la Légion d’Honneur, o primeiro nível da Ordem Nacional, pelo presidente francês François Hollande, em razão de seu reconhecimento esportivo e também pelo trabalho realizado na Fundação Gol de Letra.

Após três anos da despedida de Raí do Paris Saint Germain, o time francês organizou uma festa de despedida para seu antigo capitão, em 2001. O jogo aconteceu no Parque dos Príncipes entre a equipe do PSG e uma seleção brasileira composta por amigos de Raí, como Sócrates, Rivelino, Falcão, Dunga e Zetti. A renda do evento foi doada à Fundação Gol de Letra.

No ano da copa de 2002, deu o início da Raí+Velasco, Raí e Paulo Velasco uniram suas habilidades para administrar a marca Raí. A sociedade deu tão certo que os dois estenderam a experiência bem-sucedida para outros talentos e espaços, mais tarde em 2008 nasceu a Sala Raí, o camarote do Raí dentro do Estádio do Morumbi. O espaço multifuncional, que foi desenvolvido e é gerenciado pela Raí+Velasco, recebe os convidados dos patrocinadores em dia de jogos e shows. Nos outros dias, é um espaço para eventos

No ano de 2006, Raí resolveu morar Londres. Estudou inglês, economia e gestão esportiva por um ano. Durante este tempo na capital britânica, Raí foi correspondente internacional da Rede CBN

Em 2012, Raí recebeu o prêmio Laureus na categoria “Sport for Good”, que reconhece a utilização individual do esporte como um meio de melhorar a sociedade. Este é o prêmio mais importante do mundo no universo esportivo.

No ano de Copa do Mundo no Brasil, Raí foi embaixador de ações do L’Équipe, Jonhson & Johnson, Sony, Volkswagen, Le Club Accorhotels e Caixa.

Em 2017, Raí aceita o desafio de ser o novo executivo de futebol do São Paulo Futebol Clube.

Em comemoração aos seus 50 anos, no ano de 2020, o Paris Saint-Germain realizou uma votação para eleger os melhores da história do clube e Raí foi eleito o maior jogador do PSG de todos os tempos.

Títulos:

São Paulo:

- Campeonato Brasileiro (1991)
- Campeonato Paulista (1989, 1991, 1992, 1998 e 2000)
- Copa Libertadores da América (1992 e 1993)
- Mundial Interclubes (1992)

Paris Saint-Germain:

- Division 1 (1993 e 1994)
- Copa da França (1994, 1995 , 1997 e 1998)
- Copa da Liga Francesa (1994, 1995 , 1997 e 1998)
- Supercopa da França (1995)
- Recopa Europeia (1995 e 1996)

Seleção Brasileira:

- Jogos Pan-Americanos (1987)
- Copa do Mundo (1994)

Temas de Palestras:

- Responsabilidade Social;
- Motivação;
- Trabalho em Equipe;
- Liderança;
- Empreendedorismo;
- Esportes;
- Futebol;
- Gestão de Conflitos;
- Gestão de Pessoas;
- Superação;

Tipos de Trabalhos:

- Mestre de Cerimônias;
- Palestra;
- Presença Vip;

AT 05-22