Eduardo Carmello

São Paulo/SP
Veja o Perfil Completo

Eduardo Carmello

Eduardo Carmello Indicado 9 vezes ao TOP 5 do prêmio Top of Mind de Recursos Humanos na Categoria "Palestrante". É consultor organizacional e educacional, especialista em Gestão Estratégica de pessoas, docente da FGV-SP no MBA de Gestão Estratégica e Econômica de Pessoas.


Vídeos



Artigos


A diferença não é entre jovem descolado E velho tradicional.
Como culturas ágeis e inovadoras lidam com os erros?
Conversas Éticas e de Potência
Quer Voar com a Asa Alheia
Uma relação ética

Quer Voar com a Asa Alheia


Sinto, vai ter que voltar lá no fim da fila.

Na falta ou descuido de trabalhar e desenvolver suas próprias forças e virtudes, o ser resolve que um "Outro" precisa fazer isso por ele.

Junto com muitos outros seres que pensam da mesma forma, que querem o bônus sem pagar o ônus, conseguem criar uma estratégia de recolhimento da energia alheia, onde escolhem representar a vítima, o coitado ou o indefeso a ser salvo. Conseguem transformar uma fraqueza interna em Força pedinte e mandatória.

Desenvolver o Amor Próprio, a Independência Financeira, a Expressão de um Trabalho Valoroso, gera muito esforço e disciplina. É um projeto de realização onde os benefícios aparecem a longo prazo. Aquilo que se começa aos 23 para colher aos 40, 45, 50 anos. 

Mas o ser não quer saber disso, quer suprir seus desejos e necessidades no aqui agora.

Resolve que Outros que já estão na fila do desenvolvimento de suas potências, e que já conseguiram algum resultado com seu próprio esforço, precisam patrocinar suas expectativas e desejos infinitos, que nunca acabam. 

Já percebeu? Nunca acabam.

Esses desejos infinitos provém daquele “buraco interno”, que precisa ser preenchido de Amor Próprio e que nunca se fechará por afeto externo. Somente o ser pode e deve cuidar disso sozinho. Mas, ele, misteriosamente, prefere furar a fila. Prefere voar com a asa alheia, pois construir a sua dá muito trabalho.

O ser chama esse "patrocínio alheio de alguém que tem mais" de Justo. Sim, pois já que o outro tem energia sobrando, tem a obrigação de lhe dar o que ele mesmo deveria se esforçar para conseguir.

Essa estratégia funciona brilhantemente, por algum tempo. 

Mas um dia, inevitavelmente, a energia que vem de fora seca. A Natureza viu o “furar da fila”. Ela mesma trata de desvelar a estratégia e encerrar o patrocínio.

Qual a Reação do ser quando a estratégia é descoberta pela Natureza?

Ofensa, acusação, reclamação, chantagem, vingança. Não com a Natureza, com o "Outro". 

O ser se enfurece e exige uma recompensa, pois o Outro não lhe deu mais aquilo que o ser tem certeza absoluta que é dele.

A Natureza, como um Sherlock Holmes, filma tudo, gera evidências e demonstra o segredo da estratégia ao ser: A fraqueza, em vez de se desenvolver, escolheu virar força pedinte. Que virou poder manipulatório, que virou insatisfação constante por desejos infinitos não realizados. Que se revelou por causar tristeza e aprisionamento do outro, em vez de alegria. Que fez secar a fonte, que virou ofensa, rancor e vingança pelo disparate do Outro não dar ao ser aquilo que ele mesmo teria que se esforçar para conseguir.

A tentativa de furar a fila do autodesenvolvimento não deu certo. Gerou tensão, turbulência e tristeza para muitos. A Natureza dá um tempo para refletir e refazer a estratégia. Se mesmo assim, o ser não se toca, dá sua sentença:

Vai ter que voltar lá atrás, onde parou.

No exato momento em que, na oportunidade de se esforçar e trabalhar para desenvolver suas forças e virtudes e expressar sua potência, o ser delegou a árdua tarefa de desenvolvimento de si próprio, para outro que já estava um pouquinho na frente.

Diz a Natureza: - Quer voar com a asa alheia? Sinto, vai ter que voltar lá no fim da fila.

Eduardo Carmello.