Clemente Nóbrega

Rio de Janeiro/RJ
Veja o Perfil Completo

Clemente Nóbrega

Clemente Nóbrega, é um dos mais destacados especialistas em estratégia empresarial de nosso país. Físico e Engenheiro Nuclear por formação, com MBA Executivo da COPPEAD/UFRJ, cursou, na Harvard Business School, o Strategic Marketing Management.


Vídeos



Artigos


A informação quer ser livre
Falta engenharia na saúde
Fazer o que é preciso para que as pessoas comprem
Inovar é acertar por subtração – quase sempre

Inovar é acertar por subtração – quase sempre


vianegativa

Inovar é acertar por subtração (quase sempre). É eliminar o que dá errado/tirar partido do não previsto. Não é perseguir uma “visão de futuro”! Quem chega longe não olha à frente porque “longe” não há nada, só perto.

Pense no Viagra. A Pfizer buscava uma droga contra hipertensão e tropeçou numa que produzia hipertesão (sem “n”). O fonógrafo? Thomas Edison achava que seria usado para gravar as últimas palavras de moribundos, não para revolucionar a indústria da música. A Coca Cola era um xarope que seu criador gostava porque curava sua enxaqueca. A Du Pont fabricava explosivos, nem sonhava com as fibras que um dia fariam sua fortuna (Nylon, Lycra). IBM era máquina tabuladora. Internet?  Microchip? GPS? Inspirações militares para usos em defesa. O Google veio de uma técnica  para resolver o problema de dois estudantes que inventaram um algoritmo de busca na Internet para facilitar suas pesquisas. Percebendo que sua criação poderia virar um grande negócio (uma espécie de agência de propaganda matemática) disseram: “que pesquisa que nada, vamos ganhar dinheiro!”.

O “longe” sempre foi incomputável e está ficando mais (complexidade). O padrão da inovação é este: você sai em busca de uma nova rota para as Índias e acaba descobrindo a América. O patrono da inovação devia ser Cristóvão Colombo.