Ju Paolucci

Rio Janeiro/RJ


Ju Paolucci

Ju Paolucci é designer e especialista em inovação. Na última década, desenvolveu projetos de inovação na Europa, Ásia e América Latina para uma diversa gama de indústrias, colaborando para acelerar a inovação e a transformação de cultura em empresas como L’oréal, Cielo, Accor, Globo e Itaú.




 

 

 

Ju Paolucci é designer e especialista em inovação. Na última década, desenvolveu projetos de inovação na Europa, Ásia e América Latina para uma diversa gama de indústrias, colaborando para acelerar a inovação e a transformação de cultura em empresas como L’oréal, Cielo, Accor, Globo e Itaú.

Apaixonada por facilitar processos criativos e por educação, mantém conectada sua atuação em projetos com múltiplas formas de geração e troca de conhecimento – realiza palestras, workshops e jornadas corporativas de aprendizagem, além de atuar como professora convidada nas escolas de negócio da Universidade de São Paulo (FIA / USP) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD/UFRJ).

Temas de Palestras:

DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO: O GRANDE IMPACTO DOS PEQUENOS PASSOS
É comum a crença de que a inovação é uma habilidade exclusiva de gênios criativos que marcaram a história da humanidade, ou que, para inovar, é necessário tecnologia de ponta e investimentos financeiros robustos. Mitos como esses distanciam líderes e times da cultura de inovação, o que acaba tendo impacto direto no desempenho das pessoas e no resultado das organizações. Como fazer com que a inovação esteja presente no dia a dia de todos? Quais são os tipos de inovação que podem fazer parte da nossa rotina? Como fomentar o potencial criativo de indivíduos e times?

DIVERSIDADE PARA INOVAÇÃO
A diversidade tem sido pauta no mundo corporativo recentemente, mas ainda é raro observar o discurso alinhado à prática. Longe de ser filantropia, o termo de refere à junção de perspectivas e experiências múltiplas, um somatório criativo que de fato constitui uma caraterística fundamental para a inovação. No entanto, vieses cognitivos e comportamentos estruturais muitas vezes nos afastam da diversidade e de todo o seu potencial. Primeiro é preciso consciência. Depois, ação. Vamos juntos?

CULTURA DE NOVAÇÃO
Inovar já não é mais uma questão de diferencial, mas de sobrevivência. No entanto, é frequente ver a inovação não passar do discurso nas organizações – a lacuna entre o falar e o fazer ainda é um desafio, e isso se dá muitas vezes pela não compreensão de que inovar é uma questão cultural. Mais especificamente, a inovação é resultado de uma cultura organizacional sedimentada em ambientes seguros e de confiança para testar, errar e aprender. Quais são os hábitos e comportamentos que impedem a cultura de inovação? Como criar um ambiente propício para a inovação recorrente?


DA MENTALIDADE ÁGIL À INOVAÇÃO
Muito além dos métodos ágeis, a mentalidade ágil tem sido cada vez mais relevante no dia a dia das organizações. Materializar experimentos, testar (e errar) rápido, coletar aprendizados e aprimorar soluções – esse é um ciclo que, quando faz parte da cultura, leva à entregas de valor incrementais e constantes que, por sua vez, contribuem significativamente para a evolução da companhia como um todo. O desafio é: como disseminar a mentalidade ágil entre os diferentes times?


SEGURANÇA PSICOLÓGICA COMO ALICERCE PARA INOVAÇÃO
Não existe inovação sem ousadia e experimentação. Não existe inovação sem um ambiente psicologicamente seguro onde as pessoas se sintam à vontade para interagir, contribuir, experimentar e aprender com erros sem medo de serem julgadas ou punidas. O termo segurança psicológica se refere à construção de relações autênticas baseadas em respeito, transparência e empatia – aspectos fundamentais que, muitas vezes, ficam em segundo plano no dia a dia das organizações. Como criar um ambiente de relações saudáveis, que fomente a inovação e permita que as pessoas atuem em seu pleno potencial?


LIDERANDO A TRANSFORMAÇÃO
Uma pandemia mundial que nenhuma área de gestão de risco pôde prever. Reviravoltas em mercados estabelecidos, necessidade de criar novas ofertas da noite para o dia. No universo corporativo, nunca a habilidade de responder de forma ágil a mudanças ficou tão evidente. No entanto, em um contexto no qual “para ficar para trás, basta ficar parado”, é preciso mais do que responsividade – precisamos assumir a dianteira e liderar a transformação. Qual é o impacto da transformação nas pessoas e organizações? Como estruturar e gerir movimentos de transformação? Como engajar pessoas nesse processo?

AT 09-21